quarta-feira, 24 de abril de 2019

Leme125anos: Arpège de Calmon fez brilhar a Gustavo Sampaio 840A

Fachada da Arpége
O lojão da Rua Gustavo Sampaio, 840A, no Leme, Zona Sul do Rio de Janeiro, já brilhou nas Mãos de Waldir Calmon. Pianista e Compositor de sucesso, instalou a Boate Arpège nesse endereço. O lugar foi palco para grandes estrelas da Música Popular Brasileira como Linda Batista, Chico Buarque de Holanda, Wilson Simonal, Renato e seus Blue Caps, Ed Wilson, Odete Lara ,Ary Barroso , Tom Jobim, Vinícius de Moraes,Trio da Lua, Juca Chaves, Ary Toledo e Gilberto Gil . A Gustavo Sampaio, 840A, já foi galeria de arte , restaurante, e a Boate Rose Garden Clube,  agora se prepara para inaugurar uma Loja Pet Shop. A Importância de Waldir Calmon é tanta para a MPB e para a Música Mundial, que a Prefeitura do Rio resolveu homenageá-lo com Placa Comemorativa . Essa Seria a segunda placa conferida a uma personalidade e instalada no bairro . A primeira está no prédio da Gustavo Sampaio, em que morou a  Clarice Lispector .



Waldir Calmon , o músico que fez o Leme Brilhar


Waldir Calmon  compôs diversas músicas de sucesso. Certamente você já ouviu música dele no cinema. Ele interpretou a música Na Cadência do Samba ( Que Bonito é/ de Luiz Bandeira) do sempre saudoso Canal100. O trailer com flashes de partidas de futebol, passava antes dos filmes. Uma das suas maiores criações no entanto, foi a Boate Arpège, no Leme, de 1955.  Arpège dá nome hoje em dia a diversos estabelecimentos. Significa realidade. Aqui no Leme, foi uma das maiores boates que o Rio já conheceu. O Leme brilhou com a Arpége !!!

Junto com os sócios Waldemar Gomes ( seu pai) e  M Lanthos, Waldir Calmon inaugurava a Boate Arpège em 9 de setembro de 1955. A casa de início foi um enorme sucesso e contava com a bela voz de Diamantina Gomes, esposa de Calmon, que tinha número musical e atuou pelo menos até janeiro de 56, quando o casal separou-se. A decoração assinada por Pernambuco de Oliveira era sóbria, os preços de menu não eram exorbitantes . A Arpège funcionava com musical, bebida e comida. Um dos destaques do cardápio era Filét Arpége como fritas, presunto, palmito e ervilha. Com ar condicionado e atendimento especial, funcionava das 22 às 4horas da manhã. Todos os jornais da época davam destaque para a Arpège, como Ary Barroso, na Coluna Scoth and Soda, que assinava para O Jornal.

Inaugurada no mesmo ano da morte de Carmem Miranda e do incêndio da Vogue, a Boate Arpège veio com tudo, e jogava pesado no Marketing. No natal do primeiro ano de vida, enviou cartão gigante de natal para personalidades. Só para se ter uma idéia,  o cartão fechado era do tamanho de uma folha A4, e reproduzia trabalho de Cândido Portinari, que também morou no Leme.

Foi na Arpège que Waldir Calmon ganhou disco de Ouro



Waldir Calmon, em capa de Disco 


A Boate Arpège  inaugurou com show de Steve Bernard que tinha saído do Copacabana Palace e com Louis Cole, que tinha vindo da Vogue. Os dois tinham público fixo . A Casa precisava disso, porque concorria diretamente com a Sacha´s e a Drinks, que funcionava na Avenida Princesa Isabel. Mas a Presença de Waldir Calmon, contratado da Copacabana, era um “quê a mais” para o público. 

 Foi na Arpége que a Fábrica LPS, de Ovídio Grotera, comemorou os 100 mil discos vendidos do LP Feito para Dançar,de Waldir Calmon. Era junho de 57.O pianista e empresário era homenageado com disco de ouro maciço, diploma, alfinete de platina, ouro e brilhantes, na forma de um  R, símbolo da fábrica.


Naquele ano de 1957, Waldir Calmon  foi o recordista nacional de vendas.

Como apresentador da Tv Tupi e grande músico, trouxe apuro e bom gosto para a Arpège que apresentou grandes musicais como  Zé Maria e Conjunto, Jussara Lupe ,Dalva Barbosa,  Lucio Alves, Fernando Barreto, Zé Keti, Juca Chaves,  e Cauby Peixoto. Cauby ainda era muito jovem e bem magro, quando  foi cantor da orquestra.  Waldir também tocava diariamente na boate. O conjunto dele era um sucesso e tinha agenda lotada.

Em 1962, Calmon abria espaço Jovem na Arpège.  As tardes de música jovem teriam rock, twist, chachachá e   muito balanço. As músicas ficariam a cargo de Wilson Simonal, Reinaldo Rayol, Ed Wilson , Os Adolescentes e Renato e Seus Blue Caps. Logo, as tardes aconteceriam também aos domingos e Waldir Calmon, fechava contrato com o Clube do Rock.


Isso tudo acontecia no Leme, de 1962!!!! Dá para imaginar como deveria ser bom??


Um ano mais tarde, Waldir Calmon era convidado para temporada nos Estados Unidos. O convite vinha de Conrad Hilton, dono da rede de Hotéis Hilton. Não se sabe se ele aceitou o convite, mas contratou Tito Santos, para diretor artístico encarregado da casa, durante as ausências dele quando saía em excursões. Tito começou acertando ao montar barracão improvisado no palco e chamando Zé Keti para fazer um show que traria a voz do morro para o asfalto.


Com a mudança da Sede da Capital Federal – do Rio para Brasília – na década de 60, as boates do Rio sofreram. A Arpège conseguia manter o público e sempre inovava.  Por volta de 66, passava a ser chamada de Nova Arpège . Além das tarde de sábado, passou a exibir shows de samba, com a presença do Bloco Cacique de Ramos. O Show “Água na Boca” trazia  o melhor das escolas de samba para o Leme. Tudo ia muito bem, até que todos os sambistas faltaram num sábado à noite, dia de show , e foram todos demitidos.  

Em 1967, uma crise parece ter atingido a boate. Jornais da Época diziam que Waldir Calmon e o sócio não se entendiam mais. Pouco tempo depois, a Casa ganhava nova administração e mudava de nome. Passava a se chamar Sarau. Teria jantar dançante com órgão e piano.

Era o fim da Arpège!

Honraria para Waldir Calmon 



No ano que o Leme faz 125 anos, Waldir Calmon, pode fazer o Leme voltar a Brilhar. O Músico acaba de ser agraciado pela Prefeitura do Rio, através da FUNJOR (Associação dos Artistas e Amigos da Arte) com placa comemorativa do Circuito do Rádio. Além de Waldir foram agraciados com placas  Manuel Barcelos ( Radialista), Dalva de Oliveira( cantora e Rainha do Rádio),Paulo Monte, Linda e Dircinha Batista.

A idéia inicial e  desejo da Família Calmon, era colocar a placa no lado externo da Loja da Gustavo Sampaio, 840A, onde funcionou a Boate Arpège. Como a loja tem um dono, é necessário a permissão dele, para que a homenagem seja  feita. 

Todos nós ficamos na torcida, para que ele concorde! 



Texto MeuLemeRiodeJaneiro Facebook

3 comentários:

  1. Belíssima homenagem a meu pai de um bairro que foi tão importante em sua vida e que ele amava profundamente. Ele sempre nos levava para passear no Leme e ficava contando as coisas boas que lá viveu. Muito obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Amiga Marcinha,adorei!bjs.💕🤗😘

    ResponderExcluir